Título do Freshwater Pro aproxima Gabriel Medina do tricampeonato do WCT

Gabriel Medina segue imbatível no Surf Ranch. O brasileiro venceu o Freshwater Pro, oitava etapa do Circuito Mundial de Surf, neste fim de semana e alcançou o topo da classificação pela primeira vez na temporada. E mais do que isso, o atleta ganhou um fôlego gigantesco para as três últimas etapas do WCT, onde costuma sempre ir bem – um possível tricampeonato mundial para sua galeria é uma realidade.

Depois de conquistar o título em Jeffreys Bay e o vice em Teahupoo, Medina chegou à terceira final seguida no circuito. O brasileiro foi o melhor na fase classificatória em Lemoore e, na decisão bateu Filipe Toledo por 18,86 pontos – em uma de suas notas, alcançou os 9,93 dos juízes.

“Essa era a minha meta aqui. É uma vitória que me faz me sentir bem, porque essa onda é boa demais. Estou contra os melhores do mundo, então é um orgulho vencê-los. Estava me sentindo muito confiante aqui. As minhas pranchas estavam demais. Obrigado Johnny (Cabianca) pelas pranchas. Foram longos 3 dias. Estou muito feliz com a minha performance nesse evento. São pontos muito importantes. Espero manter bons resultados até o fim do ano”, vibrou Medina.

O troféu colocou o residente de Maresias no topo do ranking do WCT com 44,695 pontos. Ele passou Filipe Toledo, agora vice-lider com 44,400. Porém, a pouca diferença na pontuação não tira o favoritismo de Medina para um novo título do Circuito.

Restando três etapas para o fim da temporada, o brasileiro vai competir em picos em que conhece os atalhos da vitória. No Quiksilver Pro, que acontece em Hossegor à partir do dia 3 de outubro, Medina ergueu dois troféus, além de um vice e um terceiro lugar nas últimas etapas. Já no MEO Rip Curl Pro, em Peniche, que acontece logo na sequência na segunda quinzena de outubro, a vitória veio em 2017, além de um terceiro lugar em 2018. Por fim, o residente de Maresias defende o título do Billabong Pipe Masters em dezembro, na etapa que fecha a temporada.

Em sua contramão, Filipe Toledo, principal concorrente de Medina, vem de resultados ruins nas etapas decisivas nos últimos anos. Em 2018, o brasileiro vinha forte na busca pelo título do WCT, mas acabou ficando para trás exatamente nos torneios de Hossegor, Peniche e Pipeline, onde alcançou a 13º nas competições. Em 2017, os resultados foram ainda piores, com quedas ainda na repescagem.

Pela pontuação, Jordy Smith em terceiro com 40,195 pontos, Kolohe Andino em quarto com 36,505 e até Italo Ferreira em quinto com 34,600 também tem chances de disputar o título do Circuito. Porém, tirando o troféu erguido pelo brasileiro em Peniche no último ano, os surfistas jamais alcançaram o topo nas etapas restantes em suas carreiras. Dados e retrospectos, que juntos da grande fase de Gabriel Medina, coloca o atleta mais perto de erguer seu terceiro troféu do WCT da carreira.

Para conferir a classificação completa do ranking do Circuito Mundial de Surf, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *