Gabriel Medina pode ser campeão antecipado no MEO Rip Curl Pro Portugal

À partir desta quarta-feira, estará aberto o calendário do MEO Rip Curl Pro Portugal. A penúltima etapa do ano do Circuito Mundial de Surf, localizada em Peniche, poderá definir Gabriel Medina como campeão da temporada de 2019. Para isso, o brasileiro terá que torcer por algumas possíveis combinações de resultados.

São dois cenários que pode colocar o residente de Maresias no seleto grupo de tricampeões mundiais de surf: o primeiro e mais alcançável é vencer e torcer para o vice-líder, Filipe Toledo, não chegar nas quartas de final e os números 3 e 4 do ranking, Jordy Smith e Italo Ferreira, não se classificarem à decisão. O outro e mais difícil de se concretizar é ao menos chegar na final e esperar por improváveis combinações de seus rivais.

Vale lembrar que todos os surfistas vivos na luta pelo título do WCT deste ano já conseguiram grandes resultados em Peniche: Gabriel Medina ganhou em 2017; Filipinho venceu em 2015; e Italo Ferreira é o atual defensor do troféu. Já o sul-africano Jordy Smith nunca sagrou-se campeão na etapa portuguesa, porém tem um vice-campeonato em 2010.

Medina inicia sua corrida pelo tricampeonato mundial contra o francês Joan Duru, vice-campeão na final do ano passado em Portugal, enquanto Filipe Toledo duela contra o havaiano Ezekiel Lau. Já Jordy Smith enfrenta o brasileiro Caio Ibelli. As três baterias serão complementadas por wildcards a serem definidos. Apenas a bateria de Italo Ferreira já está completa, com seu compatriota Yago Dora e o surfista da casa Frederico Morais como seus rivais.

Um lugar no Olímpo do surf

Kelly Slater é o maior vencedor da história do WCT com 11 títulos (Foto: Divulgação)

O tricampeonato do WCT colocaria Gabriel Medina em uma prateleira bem única na história do surf. Apenas cinco surfistas conseguiram três títulos desde o início do Circuito Mundial de Surf Profissional em 1976.

O primeiro foi o australiano Mark Richards, tetracampeão em 1979/80/81/82. O segundo foi o californiano Tom Curren em 1985/86/90. Na sequência, veio a lenda norte-americana Kelly Slater que faturou imensuráveis 11 títulos. O quarto a entrar na lista foi o havaiano Andy Irons, campeão em 2002/03/04. Por fim, o australiano Mick Fanning ergueu a taça nos anos de 2007/09/2013.

Se não for campeão em Peniche, Gabriel Medina ainda terá o Billabong Pipe Masters, última etapa do WCT que acontece em dezembro e torneio que é o atual defensor do título, para buscar novamente fazer história na modalidade.

Confira as baterias da primeira fase do MEO Rip Curl Pro Portugal:

1 Kanoa Igarashi (JPN), Willian Cardoso (BRA), Ricardo Christie (NZL)

2 Kolohe Andino (EUA), Griffin Colapinto (EUA), Soli Bailey (AUS)

3 Italo Ferreira (BRA), Yago Dora (BRA), Frederico Morais (PRT)

4 Jordy Smith (AFR), Caio Ibelli (BRA), wildcard

5 Filipe Toledo (BRA), Ezekiel Lau (HAV), wildcard

6 Gabriel Medina (BRA), Joan Duru (FRA), wildcard

7 Owen Wright (AUS), Jack Freestone (AUS), Jadson André (BRA)

8 Jeremy Flores (FRA), Deivid Silva (BRA), Leonardo Fioravanti (ITA)

9 Julian Wilson (AUS), Conner Coffin (EUA), Jessé Mendes (BRA)

10 Seth Moniz (HAV), Adrian Buchan (AUS), Peterson Crisanto (BRA)

11 Ryan Callinan (AUS), Wade Carmichael (AUS), Sebastian Zietz (HAV)

12 Kelly Slater (EUA), Michel Bourez (TAH), Michael Rodrigues (BRA)

Classificação geral do Circuito Mundial de Surf 2019:

1 Gabriel Medina (BRA) – 48.015 pontos

2 Filipe Toledo (BRA) – 45.730

3 Jordy Smith (AFR) – 43.515

4 Italo Ferreira (BRA) – 42.400

5 Kolohe Andino (EUA) – 41.250

6 Kanoa Igarashi (JPN) – 35.430

7 Owen Wright (AUS) – 34.780

8 John John Florence (HAV) – 33.220

9 Jeremy Flores (FRA) – 31.450

10 Julian Wilson (AUS) – 29.525

Veja mais: Pousada em Maresias | Passeios em Maresias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *