Caio Costa tem um rival de peso na briga pelo título do Hang Loose Surf Attack

A partir desta sexta-feira, acontece a terceira etapa do Hang Loose Surf Attack, na Praia do Tombo, Guarujá (SP). A competição, que segue até domingo, reunirá mais de 200 surfistas com até 18 anos de idade, divididos em seis categorias. E um dos atletas que vem se destacando no circuito até o momento é o são sebastianense Caio Costa, que disputa com o catarinense Heitor Mueller os títulos das principais categorias: Mirim (sub-16) e Júnior (sub-18).

A dupla já traz uma grande rivalidade desde o ano passado, onde no mesmo campeonato, brigaram pelo troféu Iniciante (sub-14) – vencido por Heitor. Já no começo deste ano essa disputa foi evidenciada no Rip Curl Grom Search, onde foi a vez de Caio levar o título. Agora, cada um lidera uma faixa etária do Hang Loose Surf Attack 2019 – e o outro é o segundo.

Na sub-16, o catarinense está na frente, com uma vitória e um terceiro lugar, com 1.810 pontos, enquanto que o paulista tem um quarto e um terceiro, com 1.539. Na sub-18, o local de Maresias tem uma vitória e um quinto, com 1.656, e o rival, dois quartos, com 1.458 pontos.

Apesar da disputa acirrada, Caio e Heitor fazem questão de reconhecer o talento um do outro e evidenciar a amizade, deixando o clima de competição só para dentro da bateria.

“Heitor é um menino muito sangue bom e tem um bom surfe e ajuda a elevar o nível, mas claro que a disputa só acontecer dentro d’água”, disse o surfista são sebastianense. “O Caio é legal e surfa muito e isso me motiva mais ainda. Não só ele, mas tem o Léo (Casal), o Didi (Aguiar). Tem um monte de gente boa quebrando tudo”, afirmou o atleta de Santa Catarina.

Caio ainda falou sobre a possibilidade de garantir dois títulos numa mesma temporada. “Ano passado passei bem perto desse feito, então ficou um gostinho de quero mais. Sigo em busca de soltar o meu surf e dar meu melhor”, complementou.

Já Heitor destacou a importância de competir no Hang Loose Surf Attack e aproveitou para falar sobre a recente vitória na etapa do sul-americano Pro Junior, da World Surf League (WSL), em Florianópolis. “O Hang Loose é muito show, é como se fosse um Brasileiro. Gosto muito de correr, sempre tem uma vibe legal. Já a vitória no Pro Júnior WSL foi muito legal e gostei de ver a galera torcendo por mim. Fiquei muito feliz, isso me motiva muito”, finalizou.

Além das categorias Mirim, Júnior e Iniciante já mencionadas, o torneio também conta com a Estreante (sub-12), a Petit (sub-10) e a Feminina, além da disputa por cidades. Com apoio do Estado e de grandes marcas, o Hang Loose Surf Attack é o mais tradicional circuito de surf de base do país e detém um grande peso para os jovens surfistas da modalidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *